Atesta o Teu Novo Conceito de Negócio

Um dos passos fundamentais de qualquer negócio é atestar o valor do mesmo. Falar em termos de negócio é o mesmo que falar em termos de ideias, ou seja, um negócio é a representação visível de uma ideia e, como tal, este artigo adapta-se tanto ao sentido lato de negócio como ao sentido de ideia.

Para concretizar um conceito ideal, considerando uma nova ideia, deverás questionar-te sobre os aspectos envolventes da mesma. Questões relativas ao cliente-alvo, às condições actuais do mercado onde a tua ideia se insere, etc.

Eis um conjunto de perguntas que deverás colocar a ti próprio e sobre as quais deverás reflectir para avaliar o valor da tua ideia e arranjares potenciais alternativas de melhoramento.

1. A ideia já existe?

Esta questão torna-se extremamente valiosa por duas razões: primeiro, se não existir significa que és o pioneiro; segundo, se existir, então é porque há um público que necessita dela e tens uma fonte de informação para sustentar a tua modelação.

Muitas vezes cai-se no erro de assumir que o que é novo é o melhor, porque permite-te chegar primeiro ao mercado e ter associado à tua marca o selo de “pioneiro”. Porém, nem sempre é positivo ser o primeiro a chegar porque não se torna possível de saber se a ideia ou o negócio é realmente novo porque ninguém pensou nele ou se alguém já pensou nele mas verificou que não ia dar certo.

Atestar a existência de uma ideia ou de um negócio provar-te-á a necessidade dos clientes a quem se destina, ajuda-te a perceber o valor que tem para os clientes.

2. Qual é o custo de produção?

Segunda questão bastante importante. O custo de produção da tua ideia é mais elevado do que o que um cliente estaria disposto a pagar por ela? O conceito da ideia ou do negócio tem associado um custo de produção e um custo de venda. Há produtos que não fazem sentido serem vendidos ao público a preços exorbitantes mas o seu custo de produção é extremamente alto.

Antes de avançares procura perceber todos os custos associados que te permitirão chegar mais além. Se estivermos a falar de um serviço e não de um produto, deves ter em conta os custos associados aos recursos humanos que necessitas para o cumprimento do serviço. Mais uma vez, o preço que o cliente paga está associado ao serviço e não deverá estar associado aos recursos. O serviço é que deverá ter valor suficiente para que o seu fornecimento permita o pagamento aos recursos envolvidos.

3. Quem são os clientes-alvo?

Agradar a todos geralmente não funciona. A procura por quem são os clientes-alvo permitirá desenvolveres a tua ideia focada em alguém que sabes, de antemão, que não hesitarão em comprá-la. Dispersares o teu foco num vasto público só irá confundir o produto final, onde colocarás todas as features para satisfazer todos os clientes mas nenhuma feature que satisfaça realmente um segmento desses clientes.

Além de evitares o problema anterior, ainda te permite centrar as tuas forças em algo concreto. O foco é essencial! Produzir pouco mas bem trará melhores resultados que produzir muito mas mal. Se a tua ideia ou negócio resolver, de facto, um problema de um segmento de clientes então estás no bom caminho.

4. O quê que tem de novo que o(a) tornarão único(a)?

Esta questão pode ser ligada com a primeira questão. Se estás perante uma ideia ou negócio que já existe, então o quê que ofereces de novo que o existente não oferece?

A maioria dos modelos de negócio de sucesso não englobam nenhuma ideia inovadora de raiz. O que fazem é  definir estratégias específicas para uma feature inovadora que este negócio tem e os outros não. Não é re-inventar a roda, é arranjar novos materiais para aplicar à roda já existente. E é isso que tens que questionar. A tua ideia já existe? Se sim, o quê que trás de novo ao mercado?

Identificares essa inovação é definires realmente o teu negócio. O teu negócio vai ser essa feature inovadora e não a ideia como um todo.

5. Qual é o modelo de negócio?

Responderes a esta questão é, basicamente, definires o caminho a seguir. Aqui defines o presente e o futuro mesmo que a tua ideia ainda não tenha nem presente nem futuro, ou seja, mesmo que seja só isso, uma ideia. Realizar um modelo de negócio de várias iterações irá irá registar as respostas a todas as tuas questões anteriores e irá responder a mais algumas, nomeadamente em termos de lucros, caracterizar de forma clara o teu negócio, caracterizar os teus clientes e os teus parceiros. Será a ponte entre o teu negócio e potenciais financiadores. Será a definição de como é que irás ganhar dinheiro com a tua ideia ou negócio. Ser fiel a um bom modelo de negócio é ser fiel ao sucesso ou ser fiel a falhar, mas falhar bem.

Foto from UpcomingEntrepreneurs

————————————————————————————————————————————————

Hugo Sousa @
Linkedin
Twitter
Facebook

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: